A sede de São Paulo do IMS apresenta até 11 de setembro a exposição “Walter Firmo: no verbo do silêncio a síntese do grito”. Com entrada gratuita, a retrospectiva traça um panorama da obra do fotógrafo carioca, marcada, sobretudo, pelas imagens que retratam e exaltam a população e a cultura negra do país. A seleção traz desde imagens do início de sua carreira até registros recentes.

A curadoria da mostra é de Sergio Burgi, coordenador de Fotografia do IMS, e da curadora adjunta Janaina Damaceno Gomes, professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e coordenadora do Grupo de Pesquisas Afrovisualidades: Estéticas e Políticas da Imagem Negra. A assistência de curadoria é da conservadora-restauradora Alessandra Coutinho Campos, e a pesquisa biográfica e documental de Andrea Wanderley, integrantes da Coordenadoria de Fotografia do IMS.

 

Carnaval no trem, Rio de Janeiro, RJ, 1985 (Walter Firmo/Acervo IMS)

 

Clementina de Jesus, Rio de Janeiro, RJ, 1977 circa (Walter Firmo/Acervo IMS)

A seleção ocupa dois andares do centro cultural e reúne 266 fotografias, produzidas desde a década de 1950, no início da carreira do artista, até 2021. A mostra traz imagens de diversas regiões do Brasil, com registros de ritos, festas populares e cenas cotidianas. Grande parte das obras exibidas provém do acervo do fotógrafo, que se encontra sob a guarda do IMS desde 2018.

Sobre Walter Firmo

Nascido em 1937 no bairro do Irajá, no Rio de Janeiro, e criado no subúrbio carioca, Firmo começou a fotografar cedo, após ganhar uma câmera de seu pai. No início da carreira, atuou nos jornais Última Hora e Jornal do Brasil. Em 1967, já trabalhando na revista Manchete, foi correspondente, durante cerca de seis meses, da Editora Bloch, em Nova York. Neste período no exterior, o artista teve contato com o movimento black is beautiful e as discussões em torno dos direitos civis, que marcariam todo seu trabalho posterior.

Carnaval, Salvador, BA, 2010 circa (Walter Firmo/Acervo IMS)

 

Arthur Bispo do Rosário, Rio de Janeiro, RJ, 1985 (Walter Firmo/Acervo IMS)

De volta ao Brasil, trabalhou em outros veículos da imprensa e começou a fotografar para a indústria fonográfica. Iniciou ainda sua pesquisa sobre as festas populares, sagradas e profanas, em todo o território brasileiro, em direção a uma produção cada vez mais autoral.

O público poderá conhecer em profundidade a obra de um dos grandes fotógrafos do país, em uma retrospectiva dividida em 7 núcleos temáticos. Em destaque, estão diversos registros produzidos durante celebrações tradicionais brasileiras, como a Festa de Bom Jesus da Lapa, a Festa de Iemanjá e o próprio Carnaval do Rio de Janeiro. Apresenta ainda retratos de músicos como Dona Ivone Lara, Cartola, Clementina de Jesus, Paulinho da Viola, Gilberto Gil, Martinho da Vila, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Djavan e Chico Buarque.

Cartola e Dona Zica, Rio de Janeiro, RJ, 1974 (Walter Firmo/Acervo IMS)

Cavalhada, Pirenópolis, GO, 1986 (Walter Firmo/Acervo IMS)

Na mostra, também será possível assistir ao curta-metragem Pequena África, do cineasta Zózimo Bulbul, no qual Firmo trabalhou como diretor de fotografia. Como ele mesmo afirma: “Aí está o meu relato, a história de uma vida dedicada ao fazer fotográfico, dias encantados, anos dourados. Qual a minha melhor imagem? Certamente aquela que em vida ainda poderei fazer. Emoções, demais.”