Coquetel de inauguração da 704 Home movimenta shopping de Botafogo

As amigas Priscila Beliks Balassiano e Viviane Cohen Schvartz, diretoras criativa e comercial da 704 Home, respectivamente, inauguraram na última terça-feira, 17/10, a primeira pop up store da marca.
O evento lotou a loja no shopping Casa & Gourmet (Botafogo – RJ). Arquitetos, designers e demais profissionais da área de arq e decor prestigiaram a inauguração, que contou ainda com uma palestra de Aline Araújo, da Ame Arquitetura, sobre como fotografar projetos para redes sociais.

“Amamos receber tantos amigos e parceiros na inauguração da loja. É uma data especial que celebra um longo caminho percorrido por nós duas, cheio de alegrias e felicidades ao ver tantos clientes satisfeitos”, conta Viviane.

Ana Cano Milman, Erica Saraiva, Victor Niskier, Avner Posner, Natalia Veronezi e Marlon Castello Branco foram alguns dos arquitetos e designers que prestigiaram o coquetel oferecido por Priscila e Viviane.

O projeto da loja é assinado pela arquiteta Paula Werneck, que criou um ambiente onde as pessoas conseguem ter contato com os produtos desenvolvidos pela 704, todos 100% brasileiros e feitos com design exclusivo.
Fotos: Ari Kaye

Workshop “Superação através do autoconhecimento”

Protagonista de documentário “Eu não sou seu guru” da Netflix vem ao Rio para evento com o master trainer Wilson Monteiro

dawn_wilson

Pela primeira vez no Rio de Janeiro, Wilson Monteiro e Dawn Watson
realizam o workshop “Superação através do autoconhecimento”, no dia
21 de outubro, às 9h30m, na Barra da Tijuca.
Com a missão de levar ferramentas inéditas de desenvolvimento para
todos, Wilson Monteiro se une à protagonista do documentário “Eu não sou
seu Guru”, disponível na Netflix, e leva o público a refletir sobre a
melhor versão que cada indivíduo pode ter de si, como identificar as próprias
motivações e se tornar uma pessoa mais feliz. Dawn e Wilson possuem a mesma
tem acesso às mais diversas ferramentas e técnicas fundamentais sobre
escola de formação, de Anthony Robbins, onde estudam Intervenção Estratégica e

​ ​

autoconhecimento.

O workshop será uma prévia do evento “65PASSOS -Descubra sua
Voz”, que acontece nos dias 15, 16 e 17 de dezembro, no Rio de Janeiro. A
ideia deste outro encontro surgiu através de um estudo publicado no Jornal
Europeu de Psicologia Social, realizado pela Universidade College London, que
revelou quanto tempo leva para se formar um novo hábito de vida. “Em
66 dias para ser exato. Em outras palavras, se você quiser ter expectativas
média, levamos dois meses para que um novo comportamento se torne automático,

​ ​

um novo comportamento em sua vida. Você precisa começar a formar novos hábitos

​ ​

reais, a verdade é que você levará cerca de dois a oito meses para consolidar

​ ​

positivos hoje para que possa seguir para o próximo nível”, revela Wilson,

​ ​

que está formando uma equipe profissional de alto nível.

 

O curso “Superação através do autoconhecimento” custa
R$ 33,00 + 1 Kg de alimento não perecível. Para fazer a inscrição, basta se
cadastrar através do link
O evento acontece no Barra Business Center, na Av. das
Américas 3.301, no auditório do subsolo.

 

Sobre Wilson Monteiro

 

Órfão de mãe e criado no subúrbio carioca, Wilson estudou em
escola pública, teve uma infância muito solitária, mas preenchida pela arte.
“Mesmo com todas as dificuldades, não parei de gerar minhas próprias
psicologia, teologia, história, administração, neurociência, engenharia e
oportunidades: durante 15 anos dediquei minha vida aos estudos em filosofia,
marketing”, conta.

 

Com apenas 17

​ ​

anos, ele começou a dar palestras para ciclos pequenos e viajou por 35 estados

​ ​

americanos. “A vontade de ajudar pessoas a elevar seus padrões pessoais começou

​ ​

a me apaixonar. Sentia que treiná-las era o meu chamado”, finaliza ele, que

​ ​

estuda as técnicas de Tony Robbins, em uma abordagem chamada de Intervenção

​ ​

Estratégica. “Poucos no mundo a dominam. Posso dizer que me sinto bem

​ ​

confortável em aplicá-la”.

 

 

Sobre Dawn Watson

 

Dawn Watson nasceu em uma comunidade religiosa americana no Brasil,
onde foi apresentada a crenças deturpadas em relação a Deus, amor e
sexualidade, mas sempre questionadas por ela. Aos 13 anos, decidida a ir em
busca de se curar dos abusos físicos, mentais, emocionais e espirituais
um evento do Tony Robbins, nos Estados Unidos, que mais tarde tornou-se o
sofridos na infância, saiu de lá e iniciou sua jornada. Em 2014, participou de
ela encontrou a coragem que precisava para quebrar o silêncio e compartilhar
documentário do Netflix “I’m Not Your Guru”. Neste evento, pela primeira vez,
sua verdade como uma forma de se libertar da dor e voltar para o amor.
Ela propôs uma nova perspectiva sobre a dor propondo uma mudança na
maneira que nos relacionamos com ela. Em suas palestras, Dawn fala sobre o
verdadeiro significado do perdão e sua importância em nossas vidas e sugere uma

​ ​

plenitude baseada não em mecanismos de proteção, mas em aceitação e dissociação

​ ​

do medo.

Para além de pessoas com histórias de abusos e dores profundas, sua
mensagem abrange diferentes dimensões da vida, desde desenvolvimento pessoal a

​ ​

relacionamentos, estrutura familiar e trabalho e se destina a qualquer um que

​ ​

busque ser o seu melhor.

 

SERVIÇO:

 

Palestra “Superação através do autoconhecimento”

 

Local:  auditório do Barra Business Center,  Av. das
Américas 3.301, subsolo.

 

Data: 21 de outubro

 

Horário: das 9h30m às 12h30m

 

Inscrições: https://www.sympla.com.br/workshop—descubra-sua-voz–com–dawn-watson-e-wilson-monteiro__196701.

VEUVE CLICQUOT POLO CLASSIC EM LOS ANGELES 

Aconteceu neste domingo (15), a oitava edição do torneio anual Veuve Clicquot Polo Classic no icônico Will Rogers State Historic Park, em Los Angeles. Durante uma deliciosa tarde,

o jogador de polo conhecido mundialmente Nacho Figueras e sua esposa, Delfina Blaquier, receberam mais de 6 mil convidados. Entre eles, moradores de Los Angeles, celebridades internacionais do cinema, da música e da moda e fãs do esporte.

Entre os Vips estavam Kate Hudson, Ali Later, Tracee Ellis Ross, Jamie Foxx, Rosario Dawson, Bella Heathcote, Sophia Bush, Camilla Belle, Justin Hartley, Sarah Wright Olsen, entre outros.

Os convidados seguiram à risca o clássico estilo do polo, reverenciando a alegria das épocas áureas do esporte, 1920 e 1930:  as mulheres exibiam vestidos leves e chapéus, e os homens, ternos frescos de verão. A partida começou com a performance de Lauren Duski cantando o hino nacional e com a atriz Bella Heathcote lançando a bola de polo para iniciar oficialmente a partida.

Nacho Figueras, capitão da equipe Veuve Clicquot, enfrentou a equipe Will Rogers em uma emocionante partida de Polo. Nacho jogou ao lado da esposa, Delfina Blaquier, e levou o título “ Most Valuable Player”, marcando 6 gols, levando sua equipe à vitória de 11 a 8. A animada torcida acompanhou o jogo enquanto desfrutava flutes dos champagnes da Maison – Brut, Rosé e La Grande Dame, além de drinks com o Clicquot Rich – em um lindo ambiente com decoração picnic chic.


Tradição 

Veuve Clicquot continua mantendo a tradição do Polo viva em Los Angeles e apoia um dos últimos campos de polo da região. O parquet Will Rogers, situado nas colinas de Pacific Palisades, uma vez serviu como o lar das partidas entre muitos astros de Hollywood, incluindo o próprio Will Rogers, bem como Walt Disney, Spencer Tracy, Clark Gable, e Douglas Fairbanks. 
(Crédito das fotos: Getty Images para Veuve Clicquot)


LEI DE LAVAGEM DE DINHEIRO: A VONTADE DE PUNIR

Vive-se no Brasil uma fase de “caça às bruxas”, principalmente em relação aos políticos e aos grandes empresários. Neste contexto, todos os políticos são “bandidos” e os empresários “vigaristas”. Tudo ao extremo e tudo na generalização. Antigamente havia a sensação de impunidade dos “ricos e poderosos”. Agora, chega-se ao extremo oposto, com o alargamento dos limites garantidores do Estado Democrático de Direito para punir os “ricos e poderosos”.

Ressalte-se que as pessoas de bem não querem o descumprimento das leis e, muito menos, a impunidade. Não se está, aqui e agora, a defender tal bandeira. Não! Ocorre que há um detalhe: nem sempre as leis são bem elaboradas ou, principalmente, bem aplicadas para que se alcance a justiça, em seu sentido mais amplo.

Muito se tem discutido sobre a chamada “Operação Lava-Jato” e seus eventuais excessos. A questão é que os agentes públicos que trabalham em tal Operação viraram “heróis nacionais”, e quem os rebate, do ponto de vista técnico, aparece como sendo a favor da impunidade ou coisa parecida. Tornam-se “vilões”.

Neste contexto, a advocacia sofre.

Neste contexto, o Ministro Gilmar Mendes[1] declarou que “Não se combate crime com a prática de crime. É preciso moderação, que os procuradores calcem as sandálias da humildade. (…). Isso não vai prosseguir assim, a gente tem instrumentos para colocar freios. Isso já ocorreu antes no Brasil. O cemitério está cheio desses heróis”. Este é o busílis. O risco da perda dos limites e da razoabilidade.

Há alguns meses, o Supremo Tribunal Federal, acolheu a denúncia oferecida pela PGR em face do Senador Valdir Raupp e dois assessores, sob o argumento de que, inobstante a doação de campanha recebida pelo Diretório Regional do PMDB tenha sido feita de forma oficial, tal procedimento poderia acobertar ilegalidades.

[1] Disponível em: http://veja.abril.com.br/politica/janot-se-enrola-para-explicar-suspensao-da-delacao-da-oas. Acesso em 23.09.2016.

Ora, com o respeito devido, mas a prevalecer tal hipótese, estar-se-á diante do caos jurídico, com o afastamento da previsibilidade processual, que é um dos pilares do Estado Democrático de Direito.

As leis existem para tornar a convivência social possível, exatamente por permitir que se saiba quais os seus limites, para que, quem eventualmente queira ultrapassá-los, tenha plena consciência disso, e das suas consequências. Não se pode, portanto, colocar em risco aquele que age de boa-fé, por acreditar na validade das leis em vigor, e ser pego de surpresa, com interpretações criativas e que se distanciam das fronteiras legais.

Não há defesa tecnicamente possível para a argumentação de que, embora esteja tudo dentro da lei, assim mesmo, crimes são possíveis. Seria o equivalente à retirada do polo magnético da Terra.

Estes advogados subscritores se preocupam, portanto, com o rumo que as boas intenções estão guiando o “rumo da prosa”. A opinião pública, via mídia, acaba por inibir manifestações que, embora corretas tecnicamente, possam parecer como se favoráveis fossem à impunidade. Ao contrário. Só há justiça com leis rigidamente estabelecidas e obedecidas.

O tipo penal da chamada lavagem de dinheiro foi criado para dificultar a movimentação de ativos que seriam fruto de algum ilícito anteriormente cometido.

As mudanças trazidas pela lei 12.683/2012, que alterou a Lei 9.613/98, têm gerado confusão, ao, dentre outras coisas, retirar o rol restritivo dos delitos que seriam considerados como antecedentes para tipificar a “lavagem”. Agora, qualquer crime é possível para tanto, inclusive as contravenções; mas a Lei não prescindiu a ocorrência de um delito antecedente.

Desta forma, ainda há a exigência, muitas vezes negligenciada, da clara delimitação do chamado “produto a ser lavado”, que seria, portanto, o proveito do crime antecedente.

Tal “produto” não pode ser obtido por dedução, ou mesmo de forma subjetiva. Ele precisa ser claramente definido. No caso em comento, quando uma empresa emite uma TED bancária, por óbvio que se houve lavagem, tal fato ocorreu antes de que os recursos em questão tenham ingressado na sua contabilidade. Ao pensar de forma diversa, a Suprema Corte coloca em risco penal toda e qualquer transação comercial, eis que, o beneficiário de uma transferência precisaria fazer uma “due diligence” de quem a remete, para não correr tal risco. Não faz sentido. A economia pararia.

Ocorre, também, que o tipo penal (ainda) não prescinde do dolo específico de lavar o capital dito sujo. Assim, a criminalização do “caixa um” é uma impossibilidade lógica e, consequentemente jurídica, posto que não é possível que haja dolo se o cenário é de legalidade.

Nada mais claro, nada mais óbvio. O fim não pode justificar os meios em uma Democracia. Sabe-se que este sistema político é caro e falho, mas, ainda assim, é o menos ruim em termos de liberdade e de previsibilidade legal. Vive-se pior em regimes autoritários, mesmo nos “bem intencionados”.

Artigo de opinião do Dr. André Espirito Santo, advogado.

Site: https://www.andreespiritosanto.com

Gávea recebe evento gratuito de empreendedorismo

Divulgação: rede Entropia

Divulgação: Rede Entropia

O evento tem entrada beneficente e organizado pela CONVEM empresa de tecnologia que criou um app para compras imediatas e programadas com delivery rápido. Programação conta com a participação do Sergio Rodrigues, proprietário da rede carioca de restaurantes Bibi Sucos

Evento discute tecnologias inovadoras utilizadas no varejo para aumentar vendas capturar oportunidades e reduzir ineficiências do segmento que enfrentará revolução no online. O painel principal da noite traz o case de sucesso dos restaurantes Bibi Sucos. O diretor da rede, Sergio Rodrigues vai compartilhar com o público sua experiência no ramo de alimentação.

Inovação e varejo

O encontro é uma iniciativa do aplicativo de compras CONVEM que busca abrir um debate para discutir o impacto do Big Data e desenvolver novas estratégias para enfrentar a mudança radical que deverá ocorrer no setor. O evento abordará também a questão da logística urbana e a integração entre o mundo virtual e do mundo físico (off-line), que irão alterar os hábitos de consumo da sociedade e terão impactos também na sustentabilidade de cidades inteligentes.

O evento recebe os fundadores da CONVEM para falar sobre tecnologia e Christian Aranha que é empreendedor de sucesso, pesquisador na área e fundador da Rede Entropia.

A entrada será um kg de alimento não perecível em benefício da ONG Viva Rio. O evento está sujeito à lotação, portanto para garantir o lugar os interessados devem confirmar suas inscrições por meio do link de inscrição.

Divulgação: Rede Entropia

Divulgação: Rede Entropia

EVENTO BENEFICENTE

Evento: Encontro CONVEM: Impacto da Tecnologia no Varejo

Organização: CONVEM – site: https://www.convem.me/

Assessoria de Imprensa: Comunica Me

Local: Rede Entropia – Gávea

Endereço: Rua das Acácias, 19 – Gávea, Rio de Janeiro – RJ

Data: 17/10

Horário: 19h30 às 21h30